Noticias

Setores de alumínio e aço brasileiros devem se beneficiar com vitória de Biden

2 minuto/s de leitura

Os setores de alumínio e aço, prejudicados pelas políticas tarifárias de Donald Trump, respiraram aliviados com a vitória de Joe Biden para a presidência dos EUA. A nova administração do país deve significar uma mudança nas exportações brasileiras de ambos os setores, que chegaram a ser sobretaxadas em até 130% até 2018. 

Os setores foram amplamente prejudicadas pela chamada “trade war” dos Estados Unidos com a China. Na ocasião, o governo de Donald Trump estava preocupado com o déficit comercial do país, que estava em US$ 621 bilhões em 2019. Para tentar conter esse déficit, ele aplicou taxas e tarifas ao país chinês, que a administração norte-americana acreditava estar prejudicando o setor interno com práticas econômicas desleais. 

É incomum que os setores de alumínio e aço comemorem a vitória de democratas, que tendem a ser mais protecionistas que os republicanos. O governo de Trump foi uma exceção à regra. O setor de alumínio viu suas exportações caírem mais de 56% este ano. Em setembro do ano passado, os EUA aplicaram uma tarifa adicional de 50% a 130% sobre chapas de alumínio, sendo que as vendas do alumínio já tinham sofrido uma sobretaxa de 10% há dois anos. Ainda em outubro, os EUA impuseram US$ 1,96 bilhões em tarifas de produtos de folha de alumínio, afetando 18 países, inclusive o Brasil. 

Porém, com a chegada de Biden, a tendência é que as políticas protecionistas afrouxem. Além disso, o governo democrata tende a ser mais verde que o seu antecessor, com políticas que dão mais atenção ao meio ambiente. Esse tipo de política ambiental de redução de emissão de carbono tende a aumentar o consumo de alumínio, beneficiando o setor brasileiro.

O aço, que teve suas exportações reduzidas em 31% este ano, sofre também com cotas impostas pelo governo Trump. O Brasil só pode exportar 3,5 milhões de toneladas de aço semiacabado para os EUA por ano. Esse acordo, fechado em 2018, ainda determina que as exportações não passem de 30% deste valor por trimestre. Ainda este ano, o setor foi prejudicado mais uma vez quando o governo de Donald Trump anunciou uma redução de 83% dessa cota de importação, indo de 350 mil toneladas para 60 mil toneladas.

Segundo Marco Polo Mello, presidente do Instituto Aço Brasil, o interesse agora é de buscar o fim dessas cotas da exportação do aço, argumentando que a matéria prima é importante para o setor industrial norte-americano.

Uma refinada diplomacia brasileira é crucial para o desenvolvimento de relações econômicas com o novo governo norte-americano, que pretende trazer estabilidade para o mercado mundial.

Foto: Reuters / Divulgação

168 conteúdos

       
Sobre o autor
Jornalista Smart Money Leia, estude, se informe! Apenas novas atitudes geram novos resultados!
       Conteúdos

Quer saber mais sobre investimentos?



Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade




Conteúdos relacionados
AÇÕESNoticiasRenda Variável

Ibovespa corta perdas, mas encerra em baixa nesta quarta (03)

1 minuto/s de leitura
A quarta-feira (03) não foi boa para o Ibovespa. O principal índice acionário brasileiro chegou a recuar mais de 3% no pior…
Noticias

Banco digital Next terá gestão independente

2 minuto/s de leitura
Com o desafio de acelerar o crescimento do banco digital Next, o executivo Renato Ejnisman assume a presidência do mesmo, após 14…
Noticias

Banrisul vai pagar R$ 93 milhões entre seus acionistas

1 minuto/s de leitura
O Banrisul (BRSR6) deliberou na terça-feira (2) o pagamento de R$ 93.050.220 milhões em juros sobre o capital próprio (JCP) referente ao…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, personalizar publicidade e recomendar conteúdos.
Ao utiliza nossos serviços, você concarda com tal monitaramento.
Consulte a nossa Política de Privacidade

x
Aceito o uso de cookies