DestaqueEducação Financeira

Conheça os tipos de Fundos de Investimento

3 minuto/s de leitura

No nosso último artigo, conhecemos mais sobre os Fundos de Investimentos e suas principais características. Agora que você já está familiarizado, vamos aprofundar um pouco mais no tema e conhecer os tipos de fundo e para quem eles são indicados. Existem fundos para todos os perfis e objetivos diferentes. O ponto importante está em identificar qual desses tipos vai se adaptar a esses parâmetros.

Antes de aprofundar em uma análise de um fundo, sabemos que devemos fazer a leitura da Lâmina de Informações Complementares. Nesse documento estarão contidas as principais informações do fundo de forma concisa. Nessa etapa, devemos nos atentar ao “público-alvo”, à “política de investimentos” e ao “objetivo do fundo”. Esses dados são suficientes para um primeiro filtro de escolha, pois eles resumem a estratégia de gestão adotada.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) classifica os fundos, conforme sua política de investimentos, nas seguintes modalidades:

Fundos de Renda Fixa

Os Fundos de Investimento em Renda Fixa (RF) podem ainda ser subdivididos em:

  • Fundos de Renda Fixa Curto Prazo: São fundos no qual o prazo médio dos títulos que compõem a carteira é de 60 dias e o prazo máximo não ultrapassa 375 dias, caso contrário será considerado um Fundo de Renda Fixa de Longo Prazo. É vedada a cobrança de taxa de performance.
  • Fundos de Renda Fixa Referenciados: São fundos que têm pelo menos 80% da carteira direcionados a títulos públicos federais ou títulos privados de baixo risco de crédito. Além disso, no mínimo 95% são atrelados a um índice de referência indicado pelo fundo como seu “benchmark”, ou seja, seu índice de referência. Por isso, fica clara a estratégia do fundo de perseguir esse índice, ficando vedada a cobrança de taxa de performance.
  • Fundos de Renda Fixa Simples: Como seu nome sugere, esse tipo de fundo tem uma estratégia bastante simples de investir no mínimo 95% da sua carteira em títulos públicos federais ou títulos privados de perfil de risco de crédito semelhante. Esse tipo de fundo também é vedado de cobrar taxa de performance e ter concentração em títulos privados.

Fundos de Ações

Os Fundos de Investimentos em Ações (FIA), devem ter pelo menos 67% do seu patrimônio em ações ou ativos correlatos. Por essa concentração, esse tipo de fundo é direcionado a investidores com o perfil mais arrojado e que buscam maior potencial de retorno no longo prazo. Além disso, se caracteriza pela possibilidade de uso de derivativos e, ao contrário dos Fundos de Renda Fixa, é permitida a cobrança de taxa de performance.

Fundo Cambial

Como o próprio nome sugere, os Fundos Cambiais têm como objetivo se expor à variação dos preços de moeda estrangeira, com concentração mínima de 80% a esse fator de risco. É destinado a investidores que têm a necessidade de se expor à variação cambial e pode ser aplicada a cobrança de taxa de performance. Vale ressaltar que a aplicação é feita em moeda local.

Fundos Multimercado

Os Fundos Multimercado devem possuir uma política de investimentos que envolvam vários fatores de risco, sem o compromisso de concentração em nenhum fator em especial ou em fatores diferentes das demais classes previstas. Por isso, podem ter diferentes benchmarks associados, fazer uso de derivativos e ainda cobrar taxa de performance. Devido a essa flexibilidade de composição da carteira, acaba sendo a porta de entrada para investidores mais moderados que buscam maior exposição a risco, mas sem comprometer grande parte dos seus recursos.

Esses são os principais tipos de fundos disponíveis no mercado e suas principais características atribuídas a cada uma das modalidades apresentadas. Existem diversos outros detalhes ligados aos Fundos de Investimentos, como sua forma de tributação, que abordaremos em um próximo artigo. Lembre-se que não existe o melhor fundo, mas aquele que melhor se adequa ao seu perfil e seus objetivos.

31 conteúdos

       
Sobre o autor
Bacharel em Engenharia Elétrica e especialista em Engenharia de Produção (PUC-MG), me interessei pelo mercado financeiro em 2016 e desde então não paro de me aprofundar. Atualmente tenho Certificação de Especialista em Investimentos pela Associação Brasileira de Entidades do Mercado Financeiro e de Capitais (ANBIMA) e  de Analista CNPI-T credenciada pela Apimec. Atuo como Especialista em Investimentos e Educadora Financeira.
       Conteúdos
Conteúdos relacionados
ArtigosCuriosidadesEducação Financeira

VGBL

3 minuto/s de leitura
A Previdência Privada Aberta geralmente é conhecida por 2 tipos: PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre); VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre);…
Educação Financeira

Aprenda a investir em Bitcoin de forma simples e rápida

4 minuto/s de leitura
Você viu que o Bitcoin (BTC) bateu recorde de valor nesta semana?  A criptomoeda mais badalada do mundo crypto passou de US$ 66 mil de valor…
Educação Financeira

Se prepare para dar tchau para suas notas de R$ 100: o futuro é digital

4 minuto/s de leitura
Não faz tanto tempo assim que o dinheiro como conhecemos hoje saiu do chamado “padrão-ouro”, quando um grande acordo monetário definiu que todas as moedas…
Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, personalizar publicidade e recomendar conteúdos.
Ao utiliza nossos serviços, você concarda com tal monitaramento.
Consulte a nossa Política de Privacidade

x
Aceito o uso de cookies