Descomplica

Investir em NTN-B: oportunidade ou “erro”?

4 minuto/s de leitura

Antes de explanarmos algumas ideias propondo reflexão para o investidor a partir da questão acima, vamos relembrar o que são as NTN-Bs, como remuneram o detentor do papel e qual a sua finalidade. 

Primeiramente, as NTN-Bs, também conhecidas por Notas do Tesouro Nacional da série B ou Tesouro IPCA, se apresentam como um dos títulos que podem ser emitidos pelo Tesouro Nacional. Esses títulos têm por objetivo financiar a dívida pública brasileira e permitem que nós, investidores, possamos emprestar recursos para o governo federal em troca de uma taxa previamente acordada. As NTN-B podem ser de dois tipos: 

  1. Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) – onde o investidor faz a aplicação e resgata o valor de face (valor investido somado à rentabilidade) somente na data de vencimento do título.
Interface gráfica do usuário, Texto

Descrição gerada automaticamente
Fonte: Tesouro Direto
  1. Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B) – onde o rendimento da aplicação é recebido pelo investidor ao longo do investimento, por meio do pagamento de juros semestrais (cupons de juros), e na data de vencimento do título, quando do resgate do valor de face (valor investido somado à rentabilidade) e pagamento do último cupom de juros.
Diagrama

Descrição gerada automaticamente
Fonte: Tesouro Direto

Portanto, o Tesouro IPCA tem remuneração dita como híbrida, visto que, o rendimento entregue ao investidor é composto pela variação da inflação (parte pós-fixada, pois depende de como a inflação irá se comportar no período) + uma taxa dada (parte pré-fixada, entregue independentemente de uma maior ou menor inflação realizada no período). Portanto, ao considerar a taxa IPCA+4,70% ▶ IPCA = parte pós-fixada + 4,70% = parte pré-fixada resultando em um título híbrido.

Mas… investir nesses títulos atualmente seria uma oportunidade ou uma atitude equivocada?

De acordo com o time de Macroeconomia da XP, o Brasil passou a pagar um dos maiores juros reais do mundo, ou seja, estamos falando em rentabilidade real (já descontada a inflação!). Além disso, podemos afirmar que essa rentabilidade só existe porque o nosso país tem uma dívida/PIB pior do que outros países emergentes (pares de mercado) e riscos, principalmente fiscais, não desprezíveis a frente. 

Tomamos como base dados de setembro/21 para melhor visualização do que foi comentado acima:

Tabela

Descrição gerada automaticamente
Fonte: Bloomberg e XP Strategy
Tabela

Descrição gerada automaticamente
Fonte: Bloomberg e XP Strategy

Levando em consideração que o Brasil é um país emergente e, como todo país em desenvolvimento, a nossa economia é impactada diretamente pelo cenário internacional. Por exemplo, caso os Treasuries (títulos públicos americanos) tenham elevação nas suas taxas, os nossos títulos do governo (incluindo as NTN-B) deverão aumentar a sua rentabilidade a fim de minimizar possíveis retiradas de recursos do Brasil pelo fato dos EUA terem alterado a rentabilidade dos seus papéis.

Um dado alarmante é que os níveis de taxa das NTN-B voltaram para patamares de março/20, ou seja, logo que a pandemia se alastrou no Brasil e no mundo todo, demonstrando ainda o clima de incerteza e volatilidade que permeia no mercado. Atualmente, os principais fatores mais relacionados com o cenário fiscal, que impactam diretamente as curvas de juros e, portanto, os títulos nacionais (incluindo as NTN-B) são: 

  • Inflação pressionada;
  • Polarização política;
  • Crise hídrica.

Ainda temos os fatores abaixo corroborando para a manutenção do cenário de volatilidade:

  • Projeção de crescimento do PIB 2021 e 2022 ajustado para baixo;
  • Incertezas relacionadas com o teto de gastos (pagamento de precatórios, desfecho da reforma de IR, indecisão relacionada com o novo Programa Auxílio Brasil e/ou extensão do Auxílio Emergencial), além da preocupação sobre a recorrência dos gastos além do teto constitucional.

Ou seja, podemos perceber que são muitos os fatores que ainda estão contribuindo para a manutenção de elevadas remunerações oferecidas pelos títulos soberanos.

Verificando a rentabilidade das NTN-B disponibilizadas pelo Tesouro Nacional para compra pelos investidores verificamos que todos os títulos com vencimentos a partir de 2024 estão pagando, atualmente, acima de 4% de juro real (e isso é muita taxa!), o que garante um carrego interessante para investidores que levarem esse papel até o vencimento. Mas para os investidores que desejarem sair antecipadamente deste papel, qualquer fechamento de taxa (redução das taxas de juros) resulta em ágio, uma vez que o papel na mão do investidor está valorizado (teve aumento no seu preço unitário em razão da redução da taxa). 

Diante dos dados acima, podemos verificar que as NTN-B são uma oportunidade de obtenção de uma rentabilidade satisfatória considerando que a chance de o emissor não honrar com sua dívida pode-se dizer que é quase nula

Outro quesito que deve ser considerado para analisar se o título faz sentido ao seu perfil de risco, objetivos com os seus investimentos considerando o horizonte de tempo de cada um, é que, embora a inflação possa ser temporária, as incertezas envolvendo decisões de mercado existem. Perdurando o ciclo de alta da inflação nos próximos anos ou colocando a inflação dentro da meta de inflação através de medidas de política monetária contracionista, por exemplo, o investidor terá o seu título corrigido, não sofrendo com a perda de poder aquisitivo pelos anos que carregar esse título em sua carteira. 

Desta maneira, conforme opinião de analistas de mercado (incluindo a opinião da XP), entende-se que comprar NTN-B é uma oportunidade a qual pode ser passageira, visto que não há nenhuma garantia da manutenção das taxas elevadas por um longo período, uma vez que são muitos os fatores condicionantes que impactam nas curvas de mercado.  Por fim, sugere-se que um especialista no assunto seja consultado a fim de entender a necessidade e objetivos do investidor e caso faça sentido, pensar na melhor alocação com relação à prazo (comprar NTN-B com vencimentos mais curtos, intermediários e/ou longos) e o percentual de alocação deste(s) ativo(s) frente ao total da carteira.

Conteúdos relacionados
Descomplica

Ano de 2022, tempestade pela frente, onde invisto na Renda Fixa?

4 minuto/s de leitura
Voltamos novamente aos últimos 12 meses anteriores às eleições presidenciais no Brasil, agora já mirando 2022, e a incerteza de para onde…
Descomplica

Por que o mundo está tão preocupado com a inflação?

4 minuto/s de leitura
Não é de hoje que o brasileiro se preocupa com a inflação. O aumento generalizado de preços faz parte da nossa história…
Descomplica

Mais eficiência ao investir

3 minuto/s de leitura
Você já deve ter ouvido falar que não é prudente colocar todos os ovos na mesma cesta. A ideia é simples: se…
Usamos cookies e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, personalizar publicidade e recomendar conteúdos.
Ao utiliza nossos serviços, você concarda com tal monitaramento.
Consulte a nossa Política de Privacidade

x
Aceito o uso de cookies